terça-feira, 20 de Novembro de 2012

Ginjinha

Hoje a sugestão do Roteiro "Em Lisboa, à Descoberta da Ciência e da Tecnologia" do Pavilhão do Conhecimento - Ciência Viva é uma bebida bem típica.

Ginjinha... com ou sem elas. “Elas” são as ginjas, que podem ou não ser servidas com a ginjinha - delicioso licor com seculares tradições. No “Elogio da Ginja” de Paulo Moreiras, edição Quidnovi, diz-se que, “por ser um produto de fabrico dispendioso, […] cedo se tornou uma bebida da classe burguesa, tendo depois, pouco a pouco, começado a aparecer pelas tabernas e botequins, ganhando um cariz marcadamente nacional, especialmente da boémia lisboeta, onde poetas e fadistas utilizaram a ginja nas suas criações.” Um bom exemplo é o fado “Vou dar de beber à dor” de Amália Rodrigues. A ginja, Prunus cerasus, é oriunda da Ásia Menor tendo-se disseminado pela Europa. Por se tratar de um fruto não climatérico, deve ser colhido num bom estado de maturação, uma vez que não amadurece fora do ramo. Em Lisboa, não deixe de provar uma ginjinha num dos locais de culto da zona do Rossio.

quinta-feira, 15 de Novembro de 2012

A Química dos Cereais de Pequeno Almoço


Sabemos que o ferro, um dos elementos químicos mais abundantes na Terra, é essencial à vida e a sua carência pode provocar anemia, fadiga, perda de apetite, tonturas, problemas de crescimento e muitos outros problemas de saúde.
A Organização Mundial de Saúde recomenda a ingestão de cerca de 15 mg de ferro por dia. Evidentemente, isto não significa comer pregos ou parafusos, mas sim consumir alimentos ricos em iões de ferro –a forma como este elemento aparece nos organismos vivos.
Embora ninguém pense em comer pedaços de ferro para melhorar a sua dieta, a verdade é que muitos o fazem sem saber, e logo ao pequeno-almoço! De facto, os fabricantes produzem os flocos de cereais ricos em ferro adicionando-lhes minúsculos pedaços de ferro metálico. Sim, é verdade: cereais com uma pitada de limalha de ferro, uma delícia!
Se quiserem comprovar isto em casa, basta triturar uma porção de flocos de cereais num pouco de água e passear um íman pela pasta assim formada. Ao fim de algum tempo, o íman estará coberto com as pequenas partículas de ferro que foram adicionadas aos cereais.
Mas não se assustem, porque os químicos sabem há muito que os pequenos pedaços de metal são literalmente desfeitos no ambiente ácido do estômago, através da sua oxidação, que os converte numa forma de ferro utilizável pelo organismo – os tais iões de ferro…
E assim, temos a química a cuidar da nossa saúde, logo nas primeiras horas da manhã!

Episódio da série A Química das Coisas

domingo, 11 de Novembro de 2012

Quentes e boas!

Como é dia de S. Martinho, aqui fica a sugestão do Roteiro "Em Lisboa, à Descoberta da Ciência e da Tecnologia" do Pavilhão do Conhecimento - Ciência Viva.


O cheiro das castanhas assadas lembra que o outono chegou! É fácil encontrá-las em carrinhos fumegantes pela cidade. A castanha, introduzida na Europa há 3000 anos, é uma semente que surge no interior de um ouriço - o fruto do castanheiro (Castanea sativa). No séc. XVII era parte da alimentação básica de beirões e transmontanos. As castanhas são um petisco! Para as cozinhar tem que se lhes retalhar a casca, mas já pensou porquê? Cerca de metade do peso das castanhas é água. Quando estas são aquecidas, a água transforma-se em vapor que pressiona a casca da castanha fazendo-a explodir.

terça-feira, 6 de Novembro de 2012

Bacalhau à Braz

E que tal um Bacalhau à Braz? É esta hoje a sugestão do Roteiro "Em Lisboa, à Descoberta da Ciência e da Tecnologia" do Pavilhão do Conhecimento - Ciência Viva.


Diz-se que em Portugal existem 365 formas de cozinhar bacalhau. Uma das mais famosas, o bacalhau à Braz, é uma receita bem alfacinha. De facto, o bacalhau à Braz nasceu em Lisboa, mais propriamente no Bairro Alto, como resultado da criatividade de um taberneiro de nome Braz.
A pesca do bacalhau-do-Atlântico Gadus morhua pelos portugueses aparece pela primeira vez referenciada em meados do séc. XIV e, desde então, esta espécie passou a ter um papel predominante na alimentação lusitana, tendo recebido a alcunha de “fiel amigo”. Pescado em mares longínquos, o bacalhau tinha que ser conservado recorrendo à salga. Neste processo o peixe perde água, impedindo o desenvolvimento dos micróbios que geralmente provocam a degradação dos alimentos. Durante a salga ocorrem ainda alterações químicas das moléculas do peixe, das quais resulta o sabor que todos apreciamos.